Hackathon CPTM: Estações Inteligentes

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) tem se destacado no cenário de inovação do setor público de transportes.  

Com iniciativas inovadoras e de intraempreendedorismo tornando-se parte da nova cultura organizacional, a empresa realizou em outubro um Hackathon para desafiar talentos criativos e empreendedores da cultura digital a incorporar o conceito de Smart Station in Smart Cities, com uma premiação para os melhores e mais criativos projetos. 

FF Solutions está presente nesse processo de transformação digital da CPTM em direção ao Futuro da Mobilidade nas aglomerações urbanas e regiões metropolitanas de São Paulo, atuando tanto como empresa contratada em projetos de implantação e capacitação em BIM, como também como participante do Hackathon CPTM, com a presença da técnica Cristina Nakagawa como mentora. 

A partir da criação de um ambiente ideal para buscar soluções inovadoras e de aplicação prática, o evento propiciou aos participantes da CPTM e demais inscritos as ferramentas necessárias para encontrar alternativas de melhoria dos serviços e promover um papel mais ativo e estratégico às estações da CPTM. 

Agora, vamos contar um pouquinho sobre o conceito chave desse evento e como ele aconteceu. Vem com a gente! 

O que são Cidades Inteligentes?

Smart Cities, ou Cidades Inteligentes, são cidades sustentáveis, que tem gestão eficiente de recursos naturais e capacidade de repensar suas estruturas urbanas.  

Com o objetivo de garantir a melhoria contínua da qualidade de vida de seus habitantes, as smart cities levam em consideração todas as condicionantes que integram o tecido urbano, por meio do emprego de instrumentos de inclusão social e de participação da sociedade civil nas tomadas de decisão.  

Com o uso da tecnologia e a participação dos seus habitantes para coletar informações, as cidades inteligentes conseguem encontrar soluções mais eficazes para situações do dia a dia, desde procurar uma vaga de estacionamento até o controle da qualidade do ar e o uso da água da chuva, por exemplo. 

O que seriam então as Estações Inteligentes? 

De acordo com informações disponibilizadas pela CPTM para o Hackathon e com a Global Infrastructure Hub, as Smart Stations, ou Estações Inteligentes, têm seu planejamento orientado para o trânsito.  

O objetivo é desenvolver um transporte público integrado, atraente, sustentável e amigo das pessoas, que promova uma mudança do uso do carro particular para o transporte público, por exemplo.  

As estações inteligentes integram objetos conectados e tecnologias de Internet das coisas (IoT) e buscam a diversificação de suas atividades comerciais para permitir que os passageiros tenham acesso aos serviços relevantes durante a locomoção ou espera, transformando-as em modelos de negócio atrativos, eficientes e sustentáveis.  

Tornar uma estação inteligente é promover seu lugar legítimo na dinâmica das cidades inteligentes, como hub de mobilidade. 

Como transformar uma estação ferroviária em estação inteligente?

Para conseguir isto, as companhias precisam inovar e aproveitar o potencial de novas tecnologias e de novos agentes econômicos com o objetivo de aprimorar a experiência do cliente ao oferecer serviços que os coloquem no comando de sua jornada.  

Foi em busca dessa transformação que a CPTM propôs o desafio do Hackathon. 

Como parte da estratégia da CPTM, também foram feitas algumas parcerias com empresas de tecnologia que visam a transformação digital das cidades.   

estações-inteligentes Hackathon CPTM: Estações Inteligentes

Galeria CPTM

Como o Hackathon CPTM colaborou para essa transformação? 

Durante o evento, realizado de 22 até 24 de outubro, mais de 250 participantes trabalharam propostas e soluções criativas e inovadoras para o negócio do transporte sobre trilhos e estações inteligentes. 

De acordo com Rafael Biemmi, representante do Comitê de Inovação da CPTM, ter pessoas de fora da companhia apoiando e provocando com ideias inovadoras, ajudou a melhorar o serviço da empresa: 

“Atualmente atendemos mais de 2 milhões de passageiros por dia e poder fazer parte da vida dessas pessoas de uma maneira positiva não fortalece apenas a nossa marca, mas também provoca todo o sistema de mobilidade a repensar sua forma de atuação com a visão da melhoria contínua, buscando sempre algo diferente para proporcionar uma experiência melhor para seus clientes.” 

Dentre os resultados alcançados, Biemmi destacou a aproximação com o ecossistema de Inovação, permitindo posicionar a CPTM como uma empresa realmente interessada em melhorar a jornada dos seus clientes de forma coerente com a Missão, Visão e Valores da empresa: 

“Conseguimos demonstrar, não só para o ecossistema de Inovação, mas também para o público em geral, que a tão falada transformação digital do mundo corporativo chegou na nossa companhia e que realmente estamos dispostos a promover grandes mudanças.” 

A arquiteta e técnica da FF Solutions, Cristina Nagakawa, sentiu-se realizada em participar da ação que descreveu como desafiadora e agregadora:

“Participar do Hackathon CPTM foi muito enriquecedor para minha experiência profissional.”

Fábio Takayama Garrafoli, arquiteto da CPTM que também participou como mentor, comentou que a experiência de participar de um Hackathon é bastante oxigenadora já que oportuniza o contato com pessoas, ideias e raciocínios diferentes.

Raquel Volpe

Formada em Comunicação Social com habilitação em Mídias Eletrônicas pela Estácio Florianópolis. Integra o time de Comunicação & Marketing da FF Solutions, à frente das ações de Marketing de Conteúdo.

Cadastre-se para receber a nossa Newsletter

Próximos Eventos

Ver Mais >