Overmodeling na modelagem BIM: menos é mais?

Muito se fala sobre o nível de detalhe ideal para um funcionamento adequado nos projetos, de modo a evitar o overmodeling na modelagem BIM.

Existem recomendações de fabricantes de softwares para adotar uma modelagem o mais simples possível, que atenda às necessidades dos clientes e projetos.  

Existe também a opção de customizar a exibição da família nas vistas, através de parâmetros e configurações de visibilidade, a tendência ou o fluxo idealizado de fabricação dos elementos através do modelo 3D, a necessidade da exibição de detalhamentos de projetos executivos e do levantamento quantitativo.

Estes pontos inflamam a discussão sobre o nível de detalhamento ideal na modelagem.

Pensando nisso, ao realizar a modelagem de um sistema específico de captação de águas pluviais, resolvi fazer uma modelagem detalhada do captador deste sistema, desde parafusos e porcas até a grelha – com opção de explosão, mas sem voids. 

Para tal tarefa, o ideal é utilizar o conceito de famílias aninhadas para os elementos complementares (porcas e parafusos, por exemplo).  

Algumas vantagens encontradas nesse nível de detalhe foram a geometria e estética mais realistas, a assertividade ao quantificar esses pequenos elementos e a opção de gerar detalhes a partir do próprio modelo, sem a necessidade de utilizar recursos bidimensionais para tal.  

As desvantagens são investir mais tempo dedicado à modelagem da família, além do risco de excesso de detalhes nos elementos tornar o modelo mais pesado e a modelagem dificultosa, o que chamamos de overmodeling na modelagem BIM.

Vale a pena modelar com alto nível de detalhamento? 

As demandas de projetos utilizando a metodologia BIM, felizmente, têm aumentado. Bem como a complexidade de documentações e padrões envolvendo processos, fluxos, templates e famílias.  

Em contrapartida, os prazos para a elaboração de projetos BIM muitas vezes ficam longe do ideal, o que limita a utilização do conceito e acaba trazendo resultados abaixo das expectativas. 

Levando em consideração a crescente demanda, a complexidade envolvida e os curtos prazos, o ideal é pensar na eficiência e praticidade. A família é simples, porém funcional? Atende a necessidade do projeto? Se sim, é suficiente.

Modelar detalhes a mais do necessário, detalhes que não agregam valor ao projeto, seria desperdício de tempo precioso nos prazos atuais do Brasil. 

overmodeling-na-modelagem-bim-1 Overmodeling na modelagem BIM: menos é mais?

Figura 1: FF Solutions

O ideal é equilibrar o detalhe com as configurações de visibilidade ou fazer famílias mais simples? 

Inserindo no nosso raciocínio a opção de configurar a visibilidade de geometrias nas famílias, exibindo apenas o que interessa de acordo com definições das vistas dos projetos, pode ser interessante trabalhar com famílias mais detalhadas. Vamos discutir? 

Quando pensamos na utilização das famílias em projetos, devemos considerar alguns pontos importantes: 

  • O modelo está leve e os usuários têm tranquilidade para trabalhar? 

É crucial que os arquivos de modelo BIM sejam o mais leves possível, para que a abertura, sincronização e utilização do mesmo sejam fáceis e rápidas, consumindo o menor tempo possível de espera. 

Mesmo com máquinas potentes os usuários podem ter dificuldades para trabalhar, abrir e sincronizar os modelos, caso tenham muitas famílias pesadas. 

  • Como o Revit interpreta o peso do arquivo de uma família? 

Famílias modeladas no local geralmente são mais danosas para a funcionalidade dos modelos, pois o peso da mesma se repete em cada instância. 

Quando uma família carregável é inserida no modelo, cada instância tem uma pequena representação do peso do arquivo daquela família, ou seja, quanto mais uma família for utilizada repetidas vezes no mesmo modelo, mais leve ela deve ser. 

Famílias aninhadas (quando uma família é inserida na edição de outra família) também influenciam no peso do arquivo da família, o que reflete na representação das instâncias no projeto. É um conceito interessante e útil em muitas situações, mas deve ser utilizado com sabedoria. 

overmodeling-na-modelagem-bim-2 Overmodeling na modelagem BIM: menos é mais?

Figura 2 : FF Solutions

Podemos considerar trabalhar com geometrias mais complexas nas famílias, desde que sejam utilizadas as configurações de visibilidade e que não haja peso excessivo no modelo, afetando a produtividade nos projetos. 

Veja também:

O que é Nível de Desenvolvimento, ND ou LOD e qual o seu impacto no BIM?

O tipo ou tamanho do projeto interfere neste nível de detalhamento?

Partindo do raciocínio feito até aqui, o tamanho do projeto pode sim interferir nesse nível de detalhamento das famílias, tendo em vista que quanto maior o projeto mais vezes uma família pode se repetir. 

Mas nessa análise estamos considerando o tamanho do arquivo do modelo, o que influenciaria na abertura e sincronização do mesmo.  

Para a produtividade dos usuários do modelo, a configuração de visibilidade fará a diferença, seja em vistas 2D ou em vistas 3D. 

Informações adicionais

Deseja saber mais sobre o assunto? Converse com um de nossos especialistas e descubra como nossos serviços e soluções BIM e GIS podem ajudar a inovar e transformar os negócios da sua empresa. Fale com nosso time →

Você sabia que somos um Centro de Treinamento Autorizado (ATC®) da Autodesk? 

Acesse o site da BuildLab Academy e conheça um ecossistema multidisciplinar completo com treinamentos e conteúdo sobre BIM e inovação para o setor de AEC, e faça parte de uma comunidade de especialistas.

Marlon Gildo

Marlon formou-se engenheiro civil na FNC e tem pós-graduação em Building Information Modelling pela PUC Minas. Atua como especialista técnico no time de Serviços Profissionais da FF Solutions.